January 08, 2017

Aprendendo a organizar o caos da vida 101

Queridos astronautas,

agora é real oficial: sobrevivemos ao ano de 2016. Completamos a translação em torno do sol, ~bebemoramos~ esse acontecimento científico e mágico ao mesmo tempo e cá estamos, na madrugada do dia 3 pro dia 4 de janeiro, felizes demais por poder usar o verbo "bebemorar", melhor pior neologismo já inventado.
 
 
não pude deixar de colocar esse gif de novo;
é festivo demais para não usá-lo,
é "bebemorar" em uma imagem de Harry Styles.

 
Espero que a virada de ano de vocês tenha sido boa, que tenham se sentido bem e que esse sentimento de bem estar continue na maior parte do ano. Mas se vocês se sentiram mal e as coisas não foram tão #top quanto podiam ter sido, não tem problema, porque isso não é presságio de nada. Uma das minhas coisas preferidas do ano novo é isso: você pode escolher que simbolismo quer pra deixar tudo mais bonito! 

Digo, você pode fazer isso o ano inteiro, mas no ano novo temos mais #força e #esperança pra fazer isso com mais verdade no coração. A gente acredita mais nas coisas, ou pelo menos quer acreditar.
 
 
aliens são 100% a nova tendência

Nessa onda de ACREDITAR que vamos conseguir fazer coisas, tem gente que cria resoluções, metas e PLANOS REAIS para as coisas que querem. Eu, é claro, não sou uma dessas gentes. Amo planos virgem com ascendente em capricórnio, mas eles precisam vir de forma orgânica pra eu seguir a diante. É o meu jeito, não precisa ser o seu. E isso nos leva ao verdadeiro assunto dessa newsletter de começo de ano que é:
~*~*~BULLET JOURNALS~*~*~

 

Se por algum acaso vocês me seguem no twitter, vocês já devem ter me visto falando mal de bullet journals e também falando bem de bullet journals. Eu já disse que é impossível pra mim fazer um treco desses e depois apareci com um ~bujo~ pra chamar de meu. Pois é, é isso mesmo, a vida é confusa assim e so do I. Mas decidi falar sobre os famigerados bujos que eu SEMPRE leio como se fosse em espanhol por alguma força maior que eu??? porque tô vendo muito essa conversa nesse começo de ano. Amigas que começaram bujos pra 2017, amigas que não conseguem fazer bujo de jeito nenhum, amigas que são viciadas em bujos e amam falar sobre o assunto, amigas que estão tentando pela primeira vez nesse começo de ano que lhes deu #força e #esperança. Até que chegou um ponto que alguém no twitter pediu pra eu falar sobre o assunto na newsletter então cá estou falando sobre o assunto na newsletter!

MAS O QUE É UM BUJO, NÃO É MESMO?

Basicamente, é um caderno que você dedica às suas organizações, que nem uma agenda, mas do jeito que te convém. Você não precisa separar por dia, colocar hora, ou mesmo trocar mês. Você só precisa anotar as coisas que você tem pra fazer de um jeito que você entenda. Pensando assim, bullet journals são lindos e libertadores, porque não temos mais que nos prender à lógica dos fazedores de agenda e/ ou calendário e podemos simplesmente ser LIVRES pra nos organizar do jeito que queremos, podemos e conseguimos. E, pra isso, acho que merecemos a hashtag: #blessed.
 
MÁGICO!

O que aconteceu no entanto é que PESSOAS MUITO HABILIDOSAS E TALENTOSAS começaram a postar pela internet seus bullet journals cheios de firulas e coisas MALUCAS que NÃO FAZEM SENTIDO ALGUM. De repente, uma pá de gente começou a divulgar TIPOS DE LETRAS e TIPOS DE CAIXA como coisas pra MELHORAR seu bullet journal. CORES! DIVISÕES! LETRAS BONITAS! ADESIVOS! CANETAS ESPECIAIS! TRACKERS PRA VOCÊ SABER O QUANTO DE ÁGUA TOMOU NO DIA! GRÁFICOS DE QUANTAS HORAS VOCÊ  DORMIU NA SEMANA! As pessoas enlouqueceram e tornaram a boa e velha to do list, ou no bom português lista de afazeres, num treco MALUCO E COMPLEXO que ninguém em sã consciência - e mais importante, tentando se manter vivo e saudável - consegue fazer.

Desde o fim de 2015, quando ouvi sobre bullet journals a primeira vez, tinha vontade de fazer um, mas como não tinha muita ideia de como fazer um, fui pesquisar na internet exemplos. O que aconteceu, no entanto, foi que tudo o que eu vi era tão bonito e organizado que eu literalmente tive um ataque de pânico porque MINHA VIDA NUNCA VAI SER TÃO BONITA E ORGANIZADA E TENTAR MANTER ESSA MENTIRA É CRUEL!!!!!! (Eu estava na minha pior fase de ansiedade, como podem perceber.)

Eu tentei olhar exemplos de bullet journals três vezes, mas todas elas me levaram a uma crise de choro compulsivo e, depois disso, desisti da ideia de fazer o meu. Não importa o quanto as pessoas tentassem me convencer do contrário, o quanto minhas amigas dissessem que eu não podia pensar nas coisas que via na internet - só a ideia de manter um bullet journal me deixava com princípio de ansiedade.

Meses se passaram até que chegou um dia que eu precisava me organizar de verdade e cumprir aquela organização. Eu tinha exatas duas semanas pra preparar um material enorme em inglês e enviar para um concurso que ficara sabendo uns dias antes e quis participar. Então, peguei meu caderno de colagens e anotações aleatórias e fiz uma caixa com tudo que eu tinha que fazer e quais os prazos de entrega. Depois, montei um micro calendário do mês pra poder visualizar o tempo real que eu tinha pra fazer tudo aquilo e, por fim, separei os afazeres nas duas semanas.

Como eu achava que não ia conseguir dar conta, mas queria muito dar conta, coloquei um bilhete motivacional no final da página pra quando o momento do aperto chegasse. Ficou assim:
 

never half-as two things;
 
whole-ass one thing!

Eu consegui enviar tudo no prazo. Não consegui a vaga, mas consegui enviar tudo no prazo e essa já foi uma vitória gigantesca pra mim, que costumava desistir das coisas porque achava que não daria tempo. 

Então, eu vi que esse esquema simples de box de coisas + dias até o prazo final deu certo pra mim. Decidi tentar usar isso no meu dia-a-dia, pensando nos meus pitches, nos trabalhos de faculdade, nos eventos e no que mais aparecesse. E usaria naquele caderno cheio de colagens mesmo, sem problemas.

O que eu percebi foi que, pra mim, era importante que minhas listas de afazeres e minha organização dos meses estivesse junto com as minhas colagens e os meus desenhos. Eu, particularmente, preciso de um espaço em que possa juntar o racional organizacional e a expressão dos meus sentimentos.

Um caderno inteiro para afazeres me gera ansiedade. Será que eu vou conseguir entregar tudo a tempo? Será que vai ficar bom? Mas e o tempo para eu conseguir relaxar também? É tanta coisa que eu quero e tenho que fazer!!!!! Mas se eu posso expressar tudo isso, se eu posso tirar de dentro de mim esses pensamentos e coloca-los ao lado dos meus afazeres, eu consigo me acalmar. Porque aí eu consigo parar e olhar pra mim de verdade, separar o que é ansiedade, o que é a confusão da vida, o que é necessário fazer, quais são minhas prioridades. Eu não me incomodo se deixar algo passar, se não fizer tudo que tinha pra fazer, se eu errar uma palavra ou uma data, porque essas coisas entram na organicidade de viver. 

Se a vida abrange erros e acertos, coisas que você consegue e coisas que você não consegue, por que raios o meu caderno não pode abranger o mesmo?

A vida não é dividida em caixinhas de sentimentos, afazeres, racionalidade e assim por diante. É tudo um grande sopão de bagunça tanto dentro quanto fora de nós e eu só funciono quando aceito isso, quando abraço essa realidade. Funciona pra mim. E é por causa disso que aceitei que meu bujo vai ser essa mistura gigantesca de coisas aleatórias e que você vai encontrar páginas assim direto nele:
 
 
caos da cabeça

 
 
organização bonita!
 
 
diversão!
 
Esse foi o jeito que fez mais sentido pra mim, que funcionou, que me fez finalmente me sentir confortável com as coisas que eu tenho pra fazer. Sem nenhum símbolo, nenhuma letra especial, nenhum tracker. Eu não numerei páginas, nem mesmo dividi por mês as coisas que tenho pra fazer. Quando tenho algo, anoto num box e é isso aí. Assim como eu espero um tempo pra anotar todas as coisas que tenho pra fazer, faço o mesmo com o bujo. Tem um dia do mês que sento e me pergunto "ok, o que tenho pra fazer na vida?" e aí anoto, anoto, anoto. Depois olho pra tudo e vejo como organizar a bagunça.

É claro que, como muitas outras pessoas, eu não gosto quando rolam borrões e coisas do tipo, então, nesses casos, o que eu faço é colar algo em cima cobrindo o erro, como foi o caso dessa página aqui:
 
o erro foi ali do lado da palavra "veneno"
 
Mas quando é uma coisa pequenina, eu relaxo e só risco a palavra mesmo, tudo bem. Existe um nível de coisas que consigo aceitar ou não. Se mexe MUITO com a estética que eu curto, eu colo coisa em cima, se não eu absorvo na bagunça do caderno, que tá sempre misturado mesmo #amém.
 
 
a vontade de férias x a triste realidade de trabalhos sobre Paul Valéry

#motivacional

 
Como vocês podem ver, esse é o bujo mais cheio de coisas nada a ver. Mas isso não tem problema porque o bujo é meu e eu faço o que quiser com ele! E saber disso é muito muito muito importante para que cada um faça o próprio bujo do seu jeito, sem surtar com a organização, a estética, as coisas que você coloca lá. Afinal de contas, bullet journal é só uma forma de você conseguir montar sua própria organização quando você não se dá bem com agenda ou app de calendário. 

Depois de três meses e meio nesse esquema de bujo, veio o ano novo e decidi começar um caderno do zero, porque o que eu estava usando já estava acabando e não daria pra muito mais tempo. Como ia começar super do começo, decidi tentar algumas coisas novas que me geravam interesse.

Decidi colocar um mini calendário, onde posso marcar os feriados, viagens, menstruação e os picos de ansiedade. Eu sempre curti calendário porque é uma forma de ver o ano como um todo, o que me ajuda a me organizar. Daí, pra ser mais prática, meti um calendário anual dentre as coisas todas do bujo. 
fiquei horas contando linhas, fazendo contas, traçando os dias

Nesse fim de ano, também senti falta vendo os recais das pessoas na internet de saber quais livros, filmes e séries vi no ano, então reservei um espaço pra isso no comecinho do caderno também, bem simples, só pra ter anotado mesmo as coisas que consumi.

Como uma pessoa que sonha MUITO, eu tinha curiosidade de fazer um tracker de sonhos, ver o quanto que eu lembro do que sonhei, o quanto são sonhos bons e o quanto são sonhos conturbados ou mesmo pesadelos. Também decidi fazer um tracker de humor, porque com esse papo todo de ansiedade e tendo parado com o remédio no fim do ano, tenho curiosidade de tentar acompanhar melhor como está o meu humor, se está com muitos picos ou se estou razoavelmente equilibrada. 

 
 
como podem notar, eu sonho pra cacete

Ainda é estranho esse novo caderno porque ele tem PAUTA e já faz cinco anos que não escrevo em pauta. Desde o começo da faculdade, a única coisa que uso é caderno sem pauta, mas esse ano não encontrei nenhum que eu gostasse e pudesse pagar. Então, peguei o caderno que uma amiga minha me deu ela não sabia da minha dificuldade com pauta e vou tentar com ele mesmo.

Como caricatura de mim mesma, minha dificuldade com pautas é que acho que elas são muito limitadoras. Sou tão doida com esse papo de ter o pensamento livre que até na página ele tem que ser assim. Eu preciso ter todo o espaço do mundo para fazer letras de tamanhos diferentes, esquemas, caixas, desenhos. Só pra vocês terem uma noção, meu caderno de faculdade é assim:
Só tem dois tipos de Clara Browne, não existe um meio termo!
 
Mas como existe o limite do $$$, vamos tentar aprender a usar linhas sem pensa-las como limite. Por enquanto, tem dado certo. Tenho conseguido usar as linhas ao meu favor, mas não sei se vou conseguir lidar com isso até o fim do ano. O que me convenceu a ficar ok com as linhas é que eu medi o espaço que costumo dar entre minhas linhas no bujo e o espaço no caderno e eram bem parecidos, então fiquei ok com isso. Mas é bem estranho pra mim. Também é estranho porque o tamanho do caderno é diferente, então não rola fazer o box que eu fazia antes. Tô ainda num momento beta de testes, mas por enquanto tá assim:
tão organizado que nem parece meu

Não sei se vou manter desse jeito até o fim do ano, mas é um primeiro teste que, até agora, tenho conseguido lidar.  Também não faço ideia de como vou desenhar com LINHAS ME ATRAPALHANDO!!!!!!, mas vou tentar fazer um exercício de abstração.

E, pra não dizer que mudei completamente, aqui estão algumas páginas com colagem nesse meio já:
 
primeira página do ano! YAY!

Dog motivacional!

Se você pesquisa bujos pela internet a fora, muita gente vai te dizer que você precisa criar legendas, fazer checklist dos seus afazeres, numerar as páginas, dividir as páginas mensal e semanalmente. Mas eu venho aqui te dizer que você não precisa fazer nada que você não queira e/ ou que não funcione pra você. Bullet journals são, no fim das contas, uma forma pessoal de se organizar e você só precisa fazer se quiser, se não se entender com outras maneiras, se isso fazer sentido pra você. A graça do bullet journal é ser uma escolha, não uma obrigação. Isso significa que você não precisa fazer nada que você não quiser e não conseguir. É essencial lembrar que bullet journal tem que ser prático, não tem nada a ver com ser instagramável.

Você pode, é claro, me dizer que é fácil pra mim falar isso porque meu bullet journal é bonito ou estético. Mas esse foi o jeito que eu encontrei. Eu preciso de cores, eu preciso de formas, eu preciso de algum nível de caos organizado para me manter sã. Teve uma época que eu adoraria ter um bujo todo fofinho e cheio de firulas, mas essa estética da organização em cores pastéis me gera ansiedade. Eu fui visualmente educada com Basquiat, Louise Bourgeois e Pollock. Um certo caos visual, um frisson, um nível mínimo de bagunça e estranhamento que, pra mim, gera beleza, mas mais que isso: me gera conforto. É no meio das cores fortes e das formas livres que eu me encontro; você não precisa ser que nem eu, assim como eu não sou que nem as pessoas que postam seus bullet journals pela internet.

Pra provar pra vocês o meu ponto, pedi no twitter para quem quisesse mandar fotinhas dos bujos pessoas para mostrar aqui que existem os mais diferentes tipos. Queria agradecer a todo mundo que ajudou a fazer essa galeria de bujos! Tem bastante coisa diferente, porque são pessoas diferentes que se dão bem com organizações diferentes. Tem gente que faz questão de deixar tudo organizado e lindo que nem pinterest porque se sente motivada com essa estética, da mesma forma que tem gente que só anota tudo no caderno e é nóis porque pensar muito na estética atrapalha mais que ajuda. Tem quem faça legenda, box de checklist, desenhos, ícones. Tem quem não faça nada disso também. Duas citações de pessoas diferentes com estilos muito diferentes de caderno pra vocês entenderem bem são:
 
"Gosto de opções simples porque coisas complicadas demais me deixam frustrada."
&
"Coisas bonitas me motivam."

Amei as duas citações e, de certa forma, me identifico com ambas, apesar do meu bujo não ter nada a ver com o bujo de nenhuma delas! Acho que a graça é um pouco essa.

Também conheço gente que não achou bullet journal essa magia toda e que se dá bem ou mesmo melhor com agenda, aplicativos de calendário, tracker e notas, google calendar, to do list clássica. Como disse, cada um é um e o bullet journal é só mais uma opção de organização que pode ou não funcionar pra você! 

Então, pra mostrar que a graça dos bullet journals é exatamente você fazer do seu jeitinho, aqui vão outros milhões de jeitinhos diferentes que funcionaram ou estão em versão de teste com as mais diversas pessoas!
 
Calendário pequenino com página numerada!

Hábitos que a pessoa quis ficar de olho!

Lista de desejos :DD

TANTOS ÍCONES!

MUITOS ÍCONES MESMO!!

Borda fofinha!!

​Uma tentativa de planner semanal que a pessoa disse que não deu certo pra ela

Sua nova tentativa! 
Estamos torcendo pra que role!

Future log!!


Usando quadradinhos pra fazer lettering: ixperto

Sempre bom lembrar o ano do bujo!

O que o futuro reserva? feat. páginas numeradas!

Trackers, refeições, gastos, tarefas semanais!

Legendas práticas e fofuchas


Vivendo um dia por linha
com motivacional ali do ladinho!


Uma leitora exímia

Tantas coisas pra fazer DDD:


Memórias!!

Lista de livro fofinha, preenchendo a estante metafórica do bujo!

Lista de filme também temática!


Desenhos!!!

Dias tão bons que merecem louros e washi tape!
Mas se ficar difícil... motivacional!!!


Lo qué pasó pasó entre tu y yo!

CORES E DESENHOS \O/

Página rasgada: a necessidade de papel pra passar bilhetinho

Datas em bandeirinhas, desenhos, marca texto, tabelas!

Como vocês podem ver, existem os mais diversos tipos de bullet journals, assim como existem os mais diversos tipos de pessoas! Nem sempre o que você acha que vai dar certo pra você realmente dá, então você vai tentando aos poucos diferentes estilos até se encontrar no que é confortável em funciona.

Particularmente, bullet journal me ajuda muito a organizar o que tenho pra fazer e também o que quero fazer. Eu consigo colocar tudo no papel e ter um afastamento que é importante pra eu poder organizar meu tempo e não ficar perdida com vários pensamentos de ai meu deus! sem conseguir agir de fato. 

Depois que comecei o meu bujinho aquelas que já inventam intimidade por sufixo, foi muito mais fácil fazer o que era preciso ser feito e minha ansiedade diminuiu muito porque eu tinha uma imagem visual e muito mais real do que estava acontecendo, não tinha as distorções da minha mente. Por isso mesmo que, esse ano, decidi fazer tracker de humor e sono também. 

E se você é uma pessoa que gosta de um bullet journal enfeitadinho mas acha que não tem capacidade e/ ou talento para fazer coisas bonitinhas, você pode sempre ir numa papelaria e pegar vários materiais que ajudam. Eu, por exemplo, não vivo sem minha régua de 20cm, post-it e marcador colorido, canetinha colorida (estilo pilot mesmo) e caneta bico fino preta. Além disso, pras colagens, uso tesoura, estilete, cola, papel de dobradura e scrapbook, revista e fotos. Sinto falta de um mini esquadro só. 

Mas eu sou uma pessoa que gosta de desenhar. Quem não gosta ou acha que no consegue, pode comprar adesivo, washi tape, esquadro de letra, número e box, durex colorido, aquelas paradas de enfeitar scrapbook etc. Qualquer papelaria tem pelo menos um cantinho com essas tralhas que, se você acha que te ajudam a organizar, você pode comprar e testar no seu bullet journal.

O que é importante você ter em mente é que essas firulas não são o ponto principal, especialmente se a ideia de fazê-las te gera ansiedade ou desconforto. Isso aqui não é uma competição pra ver quem faz o caderno mais bonito!!! Bullet journals são sobre conforto e praticidade a cima de tudo. Então, se coisas bonitas te geram medo porque você acha que não pode errar, não faça coisas bonitas. Mas se coisas bonitas te motivam a fazer outras coisas, faça coisas bonitas! Ninguém precisa de outras pessoas dizendo como temos que fazer as coisas, especialmente quando se trata da organização própria. Nós já temos que lidar com padronizações o bastante; deixa seu caderno pra você ser livre sem medo de julgamentos de ninguém, nem mesmo seus.

Então, colega astronauta, se você quer começar um bujo pra chamar de seu, respire fundo, pegue um caderno e SE JOGA NA BRINCADEIRA!!! E não esqueça: se a vida é caos, seu bullet journal pode ser caótico também!!!!

Eu e Harry Styles confiamos em você!!!
 
Beijoks,
Clara.