May 02, 2017

[drops #43] o céu ainda é azul, você sabe...

"Faça uma lista numerada das tristezas em sua vida.
Empilhe pedras que correspondam a esses números. 
Acrescente uma pedra cada vez que houver tristeza. 
Queime a lista e aprecie 
o monte de pedras por sua beleza.
Faça uma lista numerada das felicidades em sua vida.
Empilhe pedras que correspondam a esses números. 
Acrescente uma pedra cada vez que houver felicidade. 
Compare o monte de pedras
ao monte de tristeza."
(peça de limpar, yoko ono, 1996-2017)

Esta é a obra de abertura da exposição da Yoko Ono que está em cartaz no Tomie Ohtake, aqui em São Paulo, que eu fui visitar com uns amigos no domingo (e que tem o nome que batizou a cartinha de hoje). Quando a vi, minha primeira reação foi a de comparar os dois montes de pedras ali dispostos aos visitantes; e minha dedução imediata, nesses milésimos de segundo entre ler as instruções e analisar as tais pedras, foi pensar que a pilha da felicidade seria maior, porque as pessoas poderiam materializar o quanto de alegrias e razões para sorrir temos nas nossas vidas (saúde, condições, afetos, recursos). Porém, para minha surpresa, os montes tinham praticamente o mesmo tamanho. Porque não era sobre um ser maior que o outro: era sobre reconhecermos que um não existe sem o outro. Não há tristeza sem felicidade, como não há dia sem noite, não há frio sem calor; e tantas outras forças aparentemente antagônicas que só existem porque a outra está lá, para fazer contraponto.
Uma das coisas que mais me encanta na arte, desde sempre, é como ela é capaz de nos tocar e sensibilizar, nos fazendo refletir sobre alguma questão (que, muitas vezes, pouco ou nada tem a ver com o que o artista tinha em mente quando criou - embora o importante seja como a pessoa que vê, do outro lado, entende e acolhe para si este significado, que encontrou ressonância em seu repertório de referências e experiências).

Esta exposição, em especial, me transportou para um mundo afirmativo, de conexões, desejos esperançosos escritos em papeizinhos para se pendurar numa árvore, post-its coloridos com memórias maternas, olhares de força e desabafos pungentes, pedaços de céu azul dentro de capacetes espalhados. E me fez pensar num assunto bem recorrente por aqui: o fluxo dos acontecimentos, o movimento dos fatos, a vida dinâmica e fluida. 

Porque você pode estar enfrentando algo bem difícil agora, como a maioria de nós está. Mas isso não vai mudar sua essência, essa partezinha de você que é tão especial e inerente e que faz de você tão você. Seu espírito que quer acreditar nessa tal luz do fim do túnel, um fiapo teimoso de esperança que insiste em continuar aí, apesar de. 

Há sempre um respiro a ser dado, um caminho a ser encontrado ou um novo desejo a ser escrito. Tudo é transitório. O que você vive hoje não é você: é apenas um momento, uma situação, um obstáculo

Isto também vai passar. 


Lembra? E mesmo quando a gente cai, chora, espera e se desespera: é o que está aí dentro que vai te dar força para se reerguer - e isso já está aí. Os acontecimentos vêm e vão, nos fortalecem e nos engradecem; mas o que nos torna humanos é o que permanece. Afinal, o céu ainda é azul. Você sabe?
 

drops inbox

exercício das pequenas coisas para deixar seu dia mais leve, bonito e colorido:

apesar de não ser definitivamente a pessoa mais "da natureza" que eu conheço, percebo que com o tempo cada vez mais tenho valorizado esses momentos de conexão com o que nos cerca, especialmente em viagens: fazendo trilhas, indo à praia, respirando o verde ou tentando, na medida do possível, estar em algum contato (ainda que mínimo) com a terra, a grama, o solo. já tive experiências que mexeram demais comigo neste sentido, e um amigo budista certa vez me explicou que a natureza é o caminho mais forte que temos para exercitar nossa espiritualidade. mais perto da natureza, da vida simples, fala sobre se conectar a este universo (e se desconectar um pouco do mundo online); prestar atenção ao que nos cerca (mesmo na nossa agitada rotina urbana) e maneiras de trazer este contato no nosso dia a dia (fazer tudo a pé, algo que eu amo e já comentei algumas vezes aqui, pode ser um caminho - literalmente! ;)

já devo ter falado aqui que sou uma bagunceira de plantão - infelizmente. tento manter minha casa razoavelmente arrumada a maior parte do tempo (mais como exercício de clareza mental do que naturalidade em manter tudo no seu devido lugar); mas isso ainda demanda um grande esforço de disciplina e organização da minha parte. 28 dicas para começar a pôr ordem na casa e, de quebra, na vida, do buzzfeed, traz soluções espertas para o dia a dia e que podem ser facilmente replicadas para deixar tudo mais organizado sem demandar esforço extra. já separei algumas para começar aqui!


no último mês, minhas maratonas de séries quando sobrava qualquer tempinho livre foram dedicadas a histórias de mulheres: a terceira temporada de "grace & frankie", maravilhosa (e mostrando que ainda há sim vida e mil possibilidades depois dos 70! :), a última temporada de "girls" (nenhuma amiga minha assistiu e preciso comentaaar!) e a nova "girlboss", com a controversa trajetória da nasty gal sophia amoruso. todas têm humor, drama e dilemas reais enfrentados por todas nós, tratados com sensibilidade e cuidado. para inspirar, duas matérias com as minas no foco: 10 mulheres das séries que empreendem nos negócios, no uol, e salva-vidas, no petisco, sobre as redes afetivas que construímos (que cita o maravilhoso garotas no poder, grande iniciativa criada por uma conhecida minha para mostrar que juntas construímos mais e melhor! :)

 

< quem lê tanta notícia? >


alguns links variados sobre belchior, queijo, samba, música e muito mais: 

"a desaparição foi a obra derradeira de belchior" e uma análise sobre a perda mais sentida da semana


queijólatras de plantão (eu! :) sorriem felizes com "substância encontrada no queijo pode prolongar vida e evitar câncer"

o diário de viagem do filósofo francês albert camus em visita ao brasil no final dos anos 1940 fala de samba e dorival caymmi


um documentário sobre heath ledger e um pouco mais do nosso crush adolescente que partiu precocemente


 galãs feios por si só já é um dos motivos pelos quais vale a pena pagar a internet - mas os comentaristas da página são mesmo uma atração à parte


 "reggaeton é o novo pop?" e o questionamento importante pro bate-cabelo sobre o ritmo favorito do momento


"como ajudar uma amiga em um relacionamento abusivo?" e uma questão bem delicada que pede muito carinho e cuidado


uma entrevista lúcida e inspiradora de luciana temer para a marie claire, abordando temas polêmicos como como aborto, impeachment e legalização das drogas


até terça que vem!

um grande beijo,
com amor






 
 
gostou desta cartinha e acha que pode ajudar alguém querido?
então compartilhe! compartilhar é multiplicar