June 17, 2017

Playlist no. 1: Amigos, romanos, conterrâneos!

 01. Intro.mp3

Esse título se refere a uma passagem de Shakespeare. Mas como nunca fui uma boa leitora de Shakespeare, adoro citá-la porque lembro mesmo é do Michael Kyle, inclusive toda vez que a leio é na voz dele. Por que estou falando isso? Porque é a frase padrão aqui do subject do tinyletter, e não sou boa com títulos, então vai esse mesmo, pra início de conversa.

Criei essa newsletter tem mais ou menos um ano, e ela possui um texto chinfrim que sinto até vergonha de ler. Vocês deveriam ter vergonha também, então não se sintam curiosos.
02. Vamo mostrar cultura pra esse povo.mp3

Estudo técnico em biblioteconomia aqui em São Paulo. A turma é composta por pessoas entre 15 e 40 anos, and I think it's beautiful. Pela primeira vez na vida gostei de estar com mais vinte ou trinta pessoas num cubo branco, sentada de frente para uma lousa assistindo slides com design duvidoso (infelizmente os meus são ruins também). Pois bem: a turma é muito eufórica, e eu que odeio musicais aparentemente tenho vivido dentro de um High school musical, e com o tempo fui deixando minha timidez tão de lado que meu eu Dr. Frank-N-Furter está despertando aos poucos. Inclusive devo admitir publicamente que odeio musicais, mas paradoxalmente amo The rocky horror picture show!

Acontece que sempre estamos ouvindo música, seja preenchendo a atividade de conservação na biblioteca, no intervalo com a minha caixinha de som tocando Qual bumbum mais bate, ou metade da sala entoando Bohemian rhapsody enquanto o professor liga o computador na primeira aula. E é assim que descubro que boa parte dos meus camaradas mirins desconhecem muitas das coisas que fizeram parte da minha adolescência! É estranho eu dizer isso, já que minhas bandas favoritas têm mais de 30 anos, mas é que são tão clássicas e presentes nos dvds As 99+ do flashback que esquecemos e quase acreditamos que a partir deste século todos nascem sabendo tudo, como numa versão alternativa esquisita musical de Admirável mundo novo.

Por isso dei um fôlego para essa newsletter: quando eu estiver a fim, uma playlist diferente de indicação pros camaradas! 
 
P.S.: esse subtítulo homenageia os falsetes, mas (vou dar uma problematizadinha, porque sou uma moça latino-americana que só sabe se lamentar) sou absolutamente contra o conceito de cultura como se fosse imposição daquele mais "evoluído" para o "selvagem", ou música popular x erudita, graças a bons estudos e contatos que fiz nos últimos seis anos.

03. Bons tempos, garotos.mp3

Outro dia deu uma saudade de Red Hot Chili Peppers. Acordei já pensando na clássica Higher Ground, do Stevie Wonder, com versão fantástica do RHCP. Adoro acordar 07:00am pensando em músicas aleatórias, e vocês? Lembrei que amigos desconhecem a banda, ou soube de algum jeito que não me lembro. E estava pra falar pros meninos que o Anthony Kiedis dá sarradas no ar desde 2003, faz bem um mês. Suck my kiss, do Blood sugar sex magik completou 25 anos de lançamento como single recentemente. Juntando tudo isso, a sede de ouvir minha primeira banda favorita foi grande. Ouvi. A Helen pepperiana renasceu bem forte.

Daí hoje (vulgo 19.05.17, caso o texto saia depois*) liguei na kissfm para cochilar no ônibus de volta para casa. Em dado momento acordei com uma guitarra gostosa que me lembrou o Frusciante (meu amorzão), mas sabia que não era, já que conheço quase tudo dele. Fiquei "meu Deus, será o Josh Klinghoffer?" (polêmica: o garoto está desde 2009 como guitarrista da banda, e desde a saída do John me recuso a ouvir coisas com ele, mesmo sabendo que é um bom músico, e fez parcerias 100% porretas com John solo) - era o próprio. Mais um minutinho e me vem um solão de baixo do caralho (baixo é meu instrumento favorito, pau a pau com órgão) do Flea e eu fiquei "eita cuzêra!" (inclusive aqui em casa todo mundo é fã. Porque ele é serelepe i-g-u-a-l mainha). A música se chama Goodbye angels, é do disco The getaway, que estou terminando de ouvir agora**, e achei porreta!
04. Final scene.mp3

Bom, vamos aos finalmentes! Vou deixar a discografia disponível aqui embaixo, com o link geral da banda no Spotify. Do youtube, uma playlist
 
Segue minha curadoria, por ordem de preferência:

1991 - Blood sugar sex magik - a coisa mais maravilhosa que você poderia ouvir hoje: pular bem muito com Give it away, chorar na bad com Under the bridge e pensar/fazer assanhamentos com Suck my kiss!

2002 - By the way - minha gata e meu exemplar desse disco chegaram para mim no mesmo dia, há dez anos. A partir dele agarrei no Frusciante para nunca mais soltar! Pra não citar o disco todo, reparem bem em Dosed. E a sarrada é em Can't Stop ♥

1999 - Californication - clássico para fãs e (com todo respeito) os famigerados e injustiçados posers. Marca o retorno de John à banda, depois de um tempo fora por questões fodas de comentar numa frase só.

2006 - Stadium arcadium - duplo, minha inserção no mundo desses amantes da Califórnia. Tem belíssimas canções, como Wet sand, por exemplo.

1994 - Out in L.A. - é um tipo de compilação, mas vale MUITO a pena por causa de What it is e a versão pepperiana de Castles made of sand, do Hendrix.
Mas ouçam toda a discografia, principalmente os primeiros. Eles valem muito a pena.
​1984 - The Red Hot Chili Peppers | 1985 - Freaky styley | 1987 - The uplift mofo party plan | 1989 - Mother's milk 
1991 - Blood sugar sex magik |1995 - One hot minute | 1999 - Californication | 2002 - By the way 
2006 - Stadium arcadium | 2011 - I'm with you | 2016 - The getaway

Well, espero que esse projeto seja sucesso, porque sou bem aleatória e descontinuo projetos. O que me pergunto é: o que posso falar no blog, se já falo de música lá e aqui? Deixo o barco seguir conforme a maré? Agradeço se quiser compartilhar suas opiniões comigo. É só responder esse e-mail. Ou me mande um olá no blogumvelhomundo@gmail.com. Ficarei feliz em conversar contigo!
* e **: Indo ao ar quase um mês depois.

Dasvidaniya, tovarishchi!
Helen Araújo
umvelhomundo.blogspot.com